Português

A história do multímetro

30 de Setembro de 2021 | Multímetros digitais
Galvanómetro por Tabby na Wikipédia em inglês, CC0

O primeiro dispositivo que pode ser considerado um antecessor do multímetro surgiu em 1820. Era um dispositivo de deteção de correntes com ponteiro móvel chamado galvanómetro. Concebido apenas para detetar corrente elétrica e fazer com que a agulha de uma bússola se movesse, o galvanómetro foi útil nos laboratórios, mas era muito volumoso e delicado, fazendo com que fosse pouco prático para o trabalho no terreno.

Em 1920, um engenheiro dos correios britânicos, Donald Macadie, ficou conhecido como o inventor do primeiro multímetro. Segundo conta a história, Donald estava insatisfeito porque precisava de levar uma série de ferramentas diferentes para o trabalho em linhas de telecomunicações, por isso criou uma ferramenta que pudesse medir amperes, volts e ohms. O que levou a um produto denominado AVOmeter.

O primeiro AVOmeter era bastante volumoso em comparação com os multímetros digitais a que estamos habituados atualmente. Mas durante a primeira década de vida do multímetro, este diminuiu de tamanho consideravelmente, tendo sido criada uma versão portátil com potência e funcionalidades adicionais na década de 1930.

A história do voltímetro ficou mais conhecida quando Westinghouse introduziu o primeiro medidor universal. Os AVOmeters originais apenas mediam corrente contínua (DC), resistência e tensão em 13 intervalos diferentes. Quando o "retificador de equipamento de óxido de cobre" foi concebido, o medidor incluía a capacidade de medir corrente alternada (AC) e aumentou os intervalos de 13 para 20.

Uma versão inicial do AVOmeter por Liftarn, CC BY-SA 3.0

Uma versão inicial do AVOmeter por Liftarn, CC BY-SA 3.0
 

O primeiro voltímetro digital

Não demorou muito até que os displays analógicos estivessem prestes a ser substituídos. À medida que a história do voltímetro avançava, os engenheiros tentavam criar um voltímetro digital de estado sólido já na década de 1950. Mas a tecnologia só conseguiu acompanhar a ideia na década de 1970. Os semicondutores tornaram-se suficientemente baratos para tornar a conceção possível nesta altura.

O multímetro digital Fluke 8020A

O primeiro multímetro digital portátil bem-sucedido do mundo, ou um voltímetro com funcionalidades de multímetro, deu aos técnicos de campo as capacidades de resolução de problemas outrora reservadas para especialistas em laboratório. O multímetro digital Fluke 8020A chamou a atenção em 1977. Ao ser transportado nos bolsos e sacos de ferramentas para os locais de trabalho de difícil acesso, este provou ser exato, fiável, fácil de utilizar e extremamente resistente. E fez com que os técnicos que o utilizavam fizessem boa figura.

Isto mudou o foco da Fluke de um fabricante de instrumentos de teste de bancada para o líder mundial em ferramentas de teste elétricas portáteis. Nas décadas que se seguiram, o 8020 e os seus sucessores consolidariam o seu lugar nos locais de trabalho mais desafiantes do mundo e conquistariam uma lealdade incrível entre alguns dos técnicos mais exigentes do mundo, vendendo mais de 1 milhão de unidades até à década de 1980.

A melhor e mais recente tecnologia

Nascido numa era de notáveis avanços tecnológicos (os primeiros circuitos telefónicos de fibra ótica começaram a funcionar em 1977), o Fluke 8020A utilizou a melhor e mais recente tecnologia eletrónica. Esse era o segredo. Os componentes existentes não conseguiam fornecer a combinação necessária de alto desempenho e baixo custo, pelo que os designers da Fluke criaram um chip conversor de analógico para digital semicondutor de óxido de metal complementar (CMOS) para acionar o seu ecrã LCD.

Jack Nugent, presidente da Specialty Engineering, Inc. e o seu 8020A, em 2004.

Jack Nugent, presidente da Specialty Engineering, Inc. e o seu 8020A, em 2004.
 

A eletrónica contida nessa pequena caixa cinzenta demonstrou ser altamente exata (dentro de 0,25% da leitura de +/- 1 dígito), com baixa utilização da carga, fiabilidade e durabilidade. Se o 8020 impressionou os editores (a revista Electronics escreveu uma análise técnica de seis páginas), este ganhou ainda mais admiradores onde realmente importava: no terreno. Após apenas um dia de utilização, os medidores concorrentes com um display LED necessitavam de um recarregamento durante a noite; a pilha de nove volts do 8020 durava até 200 horas de testes. O seu display LCD foi concebido para otimizar a visibilidade e a resposta, mesmo a temperaturas baixas.

Para a proteção contra transitórios de alta tensão, o 8020 utilizou pinças varistor de óxido metálico em combinação com resistências de entrada concebidas para falhar como um circuito aberto para proteger o medidor e o respetivo operador. O pequeno medidor cinzento oferecia uma combinação de desempenho e preço (169 USD) que o tornou num sucesso imediato.

Antes da reforma do 8020A em 1984, tinham sido vendidas mais de 250.000 unidades. E o 8020B, com cinco modelos adicionais baseados na mesma tecnologia, aumentou as vendas totais para um 1 milhão de unidades até ao final da década.

Mais de 40 anos de progresso: História dos modelos de multímetro da Fluke

1977

O Fluke 8020A torna-se o primeiro multímetro digital portátil de sucesso 

1979 

O Fluke 8020B é adicionado à gama de multímetros digitais 

1982 

Os funcionários da Fluke produzem o multímetro digital Fluke 8060A e 8062A True-rms de 300 V 

1987 

O Fluke 87 é introduzido como parte da gama de multímetros digitais 

1983 

A Fluke começa a vender a série 70 de multímetros digitais, incluindo o Fluke 77. 

1990 

A Fluke apresenta o 88, o primeiro medidor portátil concebido para técnicos da indústria automóvel 

1991 

A Fluke inicia as vendas do multímetro digital Fluke 12  

1996 

Os multímetros digitais Fluke mantêm a sua vantagem de segurança. Vários modelos estão agora certificados de acordo com as novas classificações de categoria de medição (CAT III e CAT IV) definidas pela Comissão Eletrotécnica Internacional (IEC) 

1997 

O Fluke 77 série III chega ao mercado 

2000 

A Fluke introduz a série 180 de multímetros digitais multifunções melhorados com capacidade de registo de dados. O software Companion FlukeView Forms transforma os dados em relatórios gráficos valiosos 

2004 

O novo multímetro digital industrial da Fluke, o modelo 87V, acrescenta uma função de termómetro e a capacidade de medir a frequência e a tensão de forma exata em variadores de velocidade ajustável 

2004 

O multímetro digital Fluke 233 também é lançado 

2013 

A Fluke começa a vender o multímetro digital 101 

2014 

A Fluke acrescenta o Fluke Connect™ em maio. Agora os técnicos de manutenção conseguem transmitir os dados de medição das ferramentas de teste para os smartphones através da comunicação sem fios. Tal permite um armazenamento seguro na nuvem e um acesso universal dos membros da equipa a partir do terreno. 

2015 

O multímetro termográfico Fluke 279 FC True-RMS combina as funcionalidades de termografia e multímetro digital.  

2019 

A Fluke apresenta o multímetro digital True-RMS 87V MAX, o primeiro multímetro Fluke com classificação IP67. 

Um cliente da Fluke enviou um multímetro Fluke 80248 juntamente com uma carta a indicar quantos anos o medidor funcionou.

Um cliente da Fluke utilizou o seu multímetro 8024B durante mais de 26 anos. Com o passar dos anos, este perdeu o botão de "retenção de pico", mas funcionou perfeitamente durante a sua longa vida útil.


Avanços no multímetro

À medida que mais multímetros foram lançados, os multímetros da Fluke foram ficando mais seguros e mais capazes do que nunca.

Em 2004, apenas 27 anos após a introdução do 8020A, o multímetro digital Fluke 189 incluía mais de 20 novas funcionalidades. Estas incluíam:
  • Capacidade de gravar e marcar eventos com data e hora para identificar intermitentes.
  • Classificação de segurança para ambientes CAT III 1000 V e CAT IV 600 V.
  • Concebido para suportar transitórios de picos de 8000 volts e proteger contra arcos elétricos.
  • Fundido para medir com segurança uma corrente cinco vezes superior.
  • O termómetro incorporado elimina a necessidade de transportar uma ferramenta separada.
  • A "retenção de visualização" congela o display durante a medição.
  • As leituras mín./máx./média captam intermitências, descidas e subidas.
  • A função de captação de picos ajuda a detetar distorções e transitórios sem um osciloscópio.
  • Seleção automática de intervalos mais rápida e estojo integrado.

Um engenheiro da Fluke trabalha com o multímetro digital Fluke 189


Planear os medidores do futuro

Maior segurança e robustez

A preocupação com a segurança entre empregadores, sindicatos e técnicos só vai aumentar. As ferramentas Fluke atuais cumprem ou excedem as mais exigentes normas de segurança relevantes e ostentam as marcas dos laboratórios de testes dos EUA e internacionais para o provar. À medida que as normas se tornam mais rigorosas, também as ferramentas Fluke o são.

Ergonomia para se adaptar ao ambiente

Uma ferramenta difícil de usar rapidamente é esquecida no fundo da caixa de ferramentas. Mas os técnicos mantêm as suas "Flukes" no topo, graças aos avanços no design dos produtos. Os multímetros digitais estão mais pequenos do que nunca. Estas ferramentas cabem de forma segura na palma da sua mão, como o Fluke 107.

Interface de utilizador simplificada

Os designers estão constantemente a incorporar novas funcionalidades sem adicionar complicações. No multímetro digital 87V, a Fluke reatribuiu um botão existente para incluir a temperatura e uma função de variador de velocidade ajustável.

Medição sem contacto

A introdução da tecnologia FieldSense da Fluke foi incluída em verificadores elétricos e pinças amperimétricas, facilitando a realização de medições de tensão e de corrente sem tocar num cabo sob tensão.

Maior fiabilidade

Os técnicos podem ter a certeza de que a fiabilidade continuará a ser uma vantagem definidora da Fluke. Pode ter a certeza quanto a isto; os engenheiros da Fluke têm de se abastecer de peças de reparação quando concebem ferramentas. Têm de olhar para o futuro e estimar quanto tempo essa ferramenta permanecerá em serviço e fazer uma "compra vitalícia" de peças de reparação para manter os utilizadores abastecidos durante a vida útil prevista da ferramenta.

Capacidades alargadas

Os novos medidores Fluke fazem mais. É tão simples quanto isto. Quer se trate de uma maior segurança, de capacidades adicionais ou de um desempenho superior, as novas gerações de ferramentas Fluke incluem sempre estas características. Estamos a investir continuamente no desenvolvimento de ferramentas novas e melhores para satisfazer as necessidades de um mundo industrial e elétrico em mudança.

Recursos relacionados